Simpósio] Autoridade máxima no país em Edith Stein ministra conferência no Simpósio da FCF

 

10

Dra. Ursula Anne Mathias – UFC

O X Simpósio de Filosofia realizado pela Faculdade Católica de Fortaleza –FCF contou em se quadro de convidados com a autoridade máxima em Edith Stein no Brasil, Dra Ursula Anne Mathias. Ursula é vice-coordenadora do curso de Filosofia da Universidade Federal do Ceará e fez a comunicação sobre o tema “a estrutura da pessoa humana segundo Ser Finito e Ser Eterno de Edith Stein e segundo o Castelo Interior de Santa Tereza de Ávila”.

Ursula esclareceu aos congressistas que “na atualidade, os temas Filosofia e Mística são duas realidades que parecem se excluir. Mas na verdade, uma área necessita da outra. Desde Platão, em todos os séculos nunca foi tema que saiu da produção filosófica”.

Mística é abertura ao Transcendente. Os místicos existiram em todos os tempos da humanidade. “Eles estão em todos os lugares”, asseverou a doutora.A vida mística é uma necessidade da humanidade, do criar artístico e do pensar filosófico.

Edith Stein passou por uma fase de ateísmo em sua juventude, quando observava a vivência inconsistente do judaísmo por parte da família. Masfoi por ser judia que foi presa e morta pelos nazistas mesmo convertida ao cristianismo.

Depois de sua conversão ao cristianismo (1920) Edith Stein tem a certeza que Filosofia e Mística se precisam. Mesmo na fase ateia ela já se interessava pelo tema das religiões. “Eu compreendo uma pessoa quando compreendo seus valores” é a síntese de sua tese sobre a empatia, objeto de pesquisa na psicologia. Nesta tese ela afirmava que a religião era estranha à sua essência.

“Filosofia e Mística se baseiam na experiência, esta última manifesta-se na interioridade”, explicou a doutora. Ponto comum nas duas realidades é a importância dada ao autoconhecimento, aspecto notado na filosofia desde os tempos de Sócrates com o “conhece-te a ti mesmo”. “Ninguém entra na catedral da mística sem o autoconhecimento”, arrematou Ursula.

22685071“Ser finito e ser eterno”

Essa obra foi escrita no Carmelo. Edith Stein se apaixona por santo Tomás de Aquino e fez muitas traduções de doutor angélico  que há muito  não haviam sido traduzidas.

Para a santa carmelita, existe um aspecto verdadeiro na realidade. As coisas possuem uma essência, e elas em última análiseestão na mente divina. A essência do ser humano só se realiza com a colaboração do próprio ser humano, diferente das demais essências. Ela está em nós de modo embrionário.

Edith ver no ponto 29 da suma teológica que o ser humano possui uma dignidade, porque ele é imagem e semelhança de Deus; enquanto portadora de uma natureza racional, argumentos presentes em Santo Tomás e Boécio. A pessoa é sempre espiritual, ela sempre transcende a dimensão puramente material.

Na obra de Edith corpo, psique e espírito são inseparáveis. Trata-se de uma única realidade. A pessoa carrega o seu corpo, carrega também a sua psique; a vida espiritual também é carregada por estas dimensões.

6256_111893103533_80836898533_2192540_2492246_nA verdadeira liberdade

A liberdade espiritual é sempre liberdade condicional. Não existe liberdade absoluta. “Podemos ser livres nos condicionamentos físicos, biológicos, sociológicos etc. a liberdade confere ao ser humano domínio sobre o corpo, psique e espírito”.

Os sentidos, corpo e psique podem todos ser instrumentos perfeitos para um projeto pessoal em vista de um projeto espiritual. “A pessoa pode escolher onde quer criar suas raízes”. A pessoa se fortalece na liberdade quando ela opta pela vida espiritual. A vida espiritual é o âmbito próprio da liberdade.

Liberdade não é fazer tudo aquilo que me leva ao ter. Os atos livres preenchem a vida do ser humano de sentido.

A alma

O “eu” não se identifica com a alma, ela é muito mais ampla, é o que significava para Aristóteles, aquela que abarcava todas as dimensões, inclusive a vegetativa. A alma espiritual pode elevar-se acima de si mesmo.

A consciência é uma função da alma. A alma mora consigo mesmo e dentro da alma o “eu” está em casa.  Na alma se acumula tudo aquilo que entra nela. “A alma tem um ser que se alimenta de conteúdo e dos posicionamentos diante destes conteúdos” explicou Ursula.

A nossa alma é fruto dos conteúdos que ela assimilou, que ela mesmapermitiu que entrasse. A alma é castelo interior, possui muitas moradas. Ela não é um espaço vazio, está preenchida de alguma coisa. Ela jamaispode viver sem receber.

Escrito Castelo Interior

A conferencista abordou com maestria o que Edith Stein escreveu sobre a obra de Teresa de Jesus, Castelo Interior – Moradas.

É impossível descrever o que acontece no interior de uma alma mística. Teresa conseguiu escrever algo que pode ser modelo para o leitor. “O corpo corresponde ao muro do castelo, os guardiões são os sentidos. A meta da alma deve ser morada de Deus”, sentenciou a doutora.

O centro do palácio é o mais importante. É preciso deixar muitas moradas para se chegar ao aposento do Rei. Fora dos muros temos o mundo, no palácio interior mora Deus. “O portal de entrada é a oração(contemplação)”, revela a reformadora do Carmelo em sua obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Imagem: Wikipédia – Teresa de Ávila (Portal de Ávila)

Acompanhe o resumo do significado de cada morada:

Primeira morada:palavra-chave: autoconhecimento. Várias técnicas podem nos levar ao autoconhecimento sendo uma delas a oração. A alma está muito distante de Deus nesta morara. Ela reza vez ou outra e é constantemente atraída para fora do Castelo.

Segunda morada: a alma consegue conversar com Deus, consegue perceber a condução de Deus, através de uma pregação, doença ou provação.

Terceira morada: Nesta alcova do castelo, as almas esforçam-se em se ordenar para Deus. É uma forma de purificação. Assume práticas de boas obras, mas ainda se mostram muito fracas diante de provações. Até a terceira morada não existe mística, trata-se da vida da graça ordinária.

Quarta morada:Nesta Morada a alma alcança a quietude. Elarecebe a água da fonte de Deus. Aqui prevalece a oração de recolhimento. As coisas exteriores perdem seus direitos e a alma passa a viver de Deus. O próprio Deus é que atrai a alma.

Quinta morada:A alma está totalmente acordada para Deus e dormindo para o mundo e si mesma. A alma descansa em Deus e sua única atividade é o amor. O próprio Deus está unido á sua essência. Vale dizer que não se cheganesta morada pelo próprio esforço, entanto,  as práticas de piedades corroboram para esta experiência. A almaconstrói a casa (Cristo) onde deve morrer. Torna-se mais corajosa e desejosa que todos conheçam a Deus. Torna-se também desapegada. A alma morre e nasce para a vida, é uma preparação para a próxima etapa.

Sexta morada: é a morada do noivado espiritual. O próprio Deus que se faz presente nesta etapa. Trata-se de uma purificação de toda a alma que se encontra passiva. São crises profundas de fé. A pessoa vive sem nenhuma consolação. Acontecem verdadeiras graças místicas. O medo desaparece. Os apelos e locuções possuem muita clareza e podem perdurar o resto da vida. A graça é escrita na alma de modo inesquecível. A entrega a Deus torna a pessoa livre. O próprio Deus conduz.

Sétima morada: Teresa chama de visão intelectual esta fase. As pessoas da Santíssima Trindade se apresentam à pessoa, confirmam a fé. A alma é totalmente transformada. É invadida por uma grande paz, consegue cumprir suas tarefas e fazer o que era complicado em fases anteriores. A alma torna-se uma coisa só com Deus. Ela esquece-se totalmente de si mesma.

Conclusão

Para as duas santas carmelitas, as experiências místicas servem exclusivamente para gerar uma alma disposta para servir.

 Por: Vanderlúcio Souza, Redação Faculdade Católica de Fortaleza – FCF.

 

Simpósio] Conferência sobre Mestre Eckhart destaca três aspectos de sua mística

5

Dr. Matteo Raschietti – UNESP

O segundo dia do X Simpósio de Filosofia realizado pela Faculdade Católica de Fortaleza foi dedicado ao estudo do pensamento de Mestre Eckhart. A conferência foi ministrada pelo doutor Matteo Raschietti –, da Universidade Estadual de São Paulo – UESP.

A mística de mestre Eckhart é ainda pouco conhecida e de certa forma incompreendida. Ela se apresenta sem adjetivos. “Na Idade Média o termo místicararamente se utilizava como substantivo, geralmente era empregado como adjetivo”, avalia Mateo.

Os místicos medievais não se intitulavam como tal. Falar queMestre Eckhart era místico é um tanto controverso. Apenas nos sermões e tratados é que o autor apresenta essa temática. Sua obra imbrica teologia, filosofia e mística. “Foi teólogo de renome e mestre de espiritualidade. Conseguiu conjugar estas duas realidadesmuito bem em sua vida”, apresenta o pesquisador medievalista.

Mateo pincelou sobre três aspectos da obra de Mestre Eckhart sobre a mística:

Mística da essência: valoriza a doutrina da interioridade. Agostinho e Aristóteles são os autores mais citados por Mestre Erckhart. A mística da essência aponta que Deus é o substrato.Pode ser chamada a mística das ciências.desprendimento1

Mística do desprendimento: escreveu a obra “Da Divina Consolação”. Escreveu também um tratado sobre o desprendimento. Vale lembrar que ele é considerado o pai da língua alemã. Ele afirma que “o puro desprendimento tudo supera, pois ele é desvinculado de toda criatura”.

“O desprendimento toca de tão de perto o nada que não há o que se interponha entre o desprendimento perfeito e o nada”. “Só o desprendimento conduz o homem à pureza, e da pureza à simplicidade, e da simplicidade à imutabilidade”.

Mística da imagem sem imagem: a mística de Mestre Eckhart neste ponto se afasta um pouco da Tradição cristã. Para ele, a verdadeira imagem sem imagem é aquela onde desaparece todas as imagens. Aproxima-se da ideia do escultor onde o Moisés de Michelangelo, por exemplo, já estava no bloco de mármore, não foi colocado lá dentro.

O ser humano é uma imagem escultural de Deus. Um espelho que reflete a sua própria imagem. O ser humano é um aspecto de Deus e Deus umrespectodo homem. O pensamento de Eckhart não é simples. Ora se ver uma mística, ora uma dialética platônica, mas tudo isso pode ser verdade, diz Etiénne Gilson sobre a produção do mestre.

Deus se faz presente enquanto ausência de imagens e privilégios. O homem se torna livre à medida que acolhe esta ausência. O ponto de chegada é o silêncio.

“A última barreira que impede a visão de Deus é o conceito que vocês têm de Deus[…] Hoje se fala demais de Deus: o mundo não aguenta mais. Há pouca consciência, pouco amor […]”, comenta o pesquisador Antony Melo.

Deus não se transforma na alma, é ela que se transforma em Deus.

mestre-eckhartMais sobre Mestre Eckhart

MestreEckhart pertencia à Ordem Dominicana, conhecida também como Ordem dos Pregadores. Ela foi fundada no período das heresias dos Tártaros e Albigenses. Os monges se preparavam para combatê-la, eram homens preparados.

Por: Vanderlúcio Souza – Redação Faculdade Católica de Fortaleza – FCF

Simpósio] Em Nicolau de Cusa, a “visão de Deus”corresponde ao amor

13

Dr. José Teixeira – UERN e Maria Simone – UEPB

“Mística do Olhar, mística do amor, no De Visione Dei de Nicolau de Cusa” foi o tema da primeira conferência ministrada no X Simpósio de Filosofia pela Profa. Dra. Maria Simone M. Nogueira da Universidade Estadual da Paraíba – UEPB.

A Faculdade Católica de Fortaleza deu uma contribuição importante ao trazer para o centro das discussões a mística, tema que sofre preconceito na academia. “Existe uma relação tensa na filosofia, muitas vezes a mística é vista como parte menor”, pontua a doutora.

Nicolau de Cusa viveu em um período marcado pela mística, trocou correspondências com monges beneditinos para resolver a querela mística, dissenção onde alguns defendiam que se alcançaria a Deus pelos afetos e outros pelo intelecto.

Para resolver a questão, “na primeira carta enviada por Nicolau de Cusa aos monges associou na entrega o quadro que ele intitulou de ícone de Deus”. Na sua concepção aquele quadro guardava um segredo entre o homem e Deus. O segredo se faz história, como veremos adiante, quando se partilha o que se vê de Deus.

Pela indicação do autor “é importante que eu saiba olhar nos olhos de Deus e ter uma vivência Dele, importante também saber o que fazer com outros depois desse olhar”.

Nicolau pede que os irmãos façam a experiência de se descolarem diante do quadro em sentidos contrários e emitam o parecer. Esta experiência é utilizada como metáfora pelo místico para falar do olhar de Deus.

A relação entre ver e amar

b0083a_65af115bb5f74282a5e58d50a1e97f99A visão de Deus em Nicolau de Cusa é amar. Por isso, o título da obra. ver e amar são sinônimos para o autor medieval.A primeira ideia de Nicolau sugere que Deus não abandona ninguém; o olhar do quadro que tudo acompanha é assim como o olhar de Deus para nós. “Ora, se o quadro não me abandona ainda mais Deus,jamais nos abandonará”, conclui Simone.

“Não abandonar” está relacionado ao amor incondicional. A ideia seguinte que surge no texto aponta para a dimensão do “cuidado”. Quem ama cuida. O amor divino não abandona, protege e cuida.“Deus cria à medida que Ele ama. Em Deus ver e amar é uma única ação”, destaca a pesquisadora medievalista.

A terceira ideia diz respeito ao afeto paternal. “Deus tem um olhar único sobre cada um. Remete à experiência do quadro enviado aos monges. Neste aspecto pode-se distinguir a visão de Deus da visão dos homens. A simultaneidade é uma característica do ser divino, coisa impossível ao homem”.

Como a visão de Deus acompanha a todos, assim também o afeto paternal de Deus faz qualquer um sentir-se único.“E porque onde estão os olhos está o amor. Experiencio que me amas, porque os teus olhos estão sobre mim, teu humilde servo, coma maior das atenções”, diz um trecho do De Visione Dei, Cap. IV p. 151.

Um místico é um ser que vive neste mundo

O mais importante é saber como eu vou olhar os demais depois de fitar os olhos de Deus. “Colocar no cotidiano minha experiência mística é o fundamental”, destaca Simone. Esse olhar de Deus torna o místico capaz de transformar o mundo. Depois de ver Deus ele não pode ver o mundo da mesma forma.

Por Vanderlúcio Souza, Redação Faculdade Católica de Fortaleza – FCF.

Simpósio]“Nenhum estudo intelectual pode ser desligado da condição humana”, afirma doutor em Teologia

20

Dr. Pe. Evaristo Marcos e Dir. Ana Aires

O Diretor Acadêmico da Faculdade Católica de Fortaleza –FCF, Padre Francisco Evaristo Marcos, declara que a importância principal do X Simpósio de Filosofia realizado pela instituição “é apresentara Filosofia como ciência útil à pessoa humana”. “Nenhum estudo intelectual pode ser desligado da própria condição humana”, afirma o sacerdote que é Doutor em Teologia.

O encontro é uma oportunidade de reflexão para os participantes e ao mesmo tempo um evento que ajuda-os a descobrir quem elas são. “Ele quer despertar a pessoa para a relação consigo mesmo, com o transcendente e por consequência com o outro”, acrescenta o padre.

Ainda de acordo com Padre Evaristo, “não existe uma ótima teologia sem uma excelente filosofia. As duas coisas não se separam”.  O ponto de confluência entre as duas ciências encontra-se na relação intima entre fé e razão, quando a pessoa passa a descobrir o sentido de sua própria existência e sua relação com o transcendente.

O diretor acadêmico reafirma o compromisso da FCF na formação intelectual de seu corpo discente. “Somos uma casa com 150 anos  de tradição  de ensino da Filosofia e Teologia. No Ceará somos a primeira casa de formação do ensino superior  das ciências  filosóficas e teológicas. Por tudo isso, nos preocupamos em trazer para este Simpósio profissionais gabaritados”.

Por: Vanderlúcio Souza – Redação Faculdade Católica de Fortaleza – FCF

Simpósio] Aluno do Propedêutico apresenta comunicação sobre “mística no orfismo”

IMG_20150520_141300108

Nas trinta horas de programação do X Simpósio de Filosofia realizado pela Faculdade Católica de Fortaleza –FCF, destaque para o espaço reservado para as comunicações dos alunos de graduação, mestrado e doutorado.

Ao todo foram apresentadas mais de 27 comunicações. Joaquim Fernando III, aluno do Propedêutico da Arquidiocese de Fortaleza, apresentou sua pesquisa, “o princípio daIMG_20150520_142117609_HDR mística no mistério órfico”.

Fernando é formado em filosofia e pós-graduado em filosofia da religião. “O incentivo à pesquisa e a erudição do público discente”, marcam a importância de um evento no porte do simpósio na opinião do aluno.

“O orfismo introduz um novo sistema de crenças no mundo grego e tornou-se uma experiência que influenciou inclusive religiões monoteístas como o judaísmo e o cristianismo”, explicou o pesquisador.

Por: Vanderlúcio Souza, Redação Faculdade Católica de Fortaleza – FCF.

Teólogo Evaristo Marcos fala em entrevista sobre o X Simpósio de Filosofia 2015

6

Dr. Pe. Evaristo Marcos e Vanderlúcio Souza

Dr. Pe. Evaristo Marcos*, Diretor Acadêmico e Professor Titular da Faculdade Católica de Fortaleza – FCF, concedeu entrevista nesta terça (19) sobre a importância do X Simpósio de Filosofia para a FCF e para a sociedade cearense, através de todos aqueles que participarão do evento. É um evento de reflexão intelectual, mas que quer colaborar para que as pessoas descubram quem elas são, disse o docente. Filosofia e Mística trata da relação minha com o Transcendente e com o outro. O tema faz uma perfeita confluência com a Teologia porque Fé e Razão, como diz Santo Agostinho, não se separaram. Esperamos que esses dias venham a colaborar para a pesquisa e para uma prática existencial, através da qual se traduza a realidade de que a Filosofia, assim como a Teologia, deve levar a um compromisso com as questões fundamentais da condição humana. E concluiu o docente: Espero que esses dias sejam bem aproveitados nas Conferências, Comunicações e Minicursos e a nossa vida se torne melhor como pensadores e, acima de tudo, como pessoa humana situada na sociedade de hoje tão carente de ética e justiça.

Mais sobre o entrevistado

Francisco Evaristo Marcos é padre da Arquidiocese de Fortaleza, Doutor em Teologia, Professor titular e Diretor Acadêmico da Faculdade Católica de Fortaleza – FCF, Vice-reitor do Seminário Arquidiocesano de Teologia São José – Arquidiocese de Fortaleza. Pe. Evaristo Marcos será um dos moderadores das Conferências do X Simpósio de Filosofia 2015.

Serviço:

X SIMPÓSIO DE FILOSOFIA – “Filosofia e Mística”
Data: 20, 21 e 22 de maio de 2015 – A partir das 8h.
Auditório Central da FCF – Rua Tenente Benévolo, 201 – Centro – Fortaleza/CE.
Investimento: R$ 10,00 (Alunos da FCF), R$ 20,00 (Alunos Visitantes)
Mais informações: (85) 3453.2150
Programação: www.catolicadefortaleza.edu.br

Por: Setor Comunicação FCF e Assessoria de Vanderlúcio Souza, jornalista e Seminarista da Arquidiocese de Fortaleza

“Católica de Fortaleza” oferece 30 horas de programação filosófica

Simpósio---Arte-nova-Cartão
O Simpósio de Filosofia realizado pela Faculdade Católica de Fortaleza (FCF) chega à sua décima edição com o tema Filosofia e Mística. O encontro terá 30 horas de programação e acontecerá na sede da instituição nos dias 20, 21 e 22 de maio. O investimento é de R$ 20,00 (Vinte Reais) para alunos visitantes, com direito a certificado.

A programação terá início na quarta-feira com a palavra do Reitor Geral da FCF, Ms. Pe. Almir Magalhães, seguido de conferência sobre “Mística do olhar, mística do amor, no De Visione dei de Nicolau de Cusa”, ministrado pela Dra. Maria Simone Marinho Nogueira, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).  A tarde está reservada para a apresentação de comunicações de alunos de graduação, mestrados e doutorados.

O X Simpósio Filosófico conta com a presença de conferencistas oriundos de sete universidades incluindo a Coordenadora do Curso de Filosofia da FCF, Dra. Maria Celeste de Sousa e a vice-coordenadora do Curso de Filosofia da Universidade Federal do Ceará (UFC), Dra. Ursula Anne Matthias.

A temática do encontro não está essencialmente ligada à dimensão religiosa. “O fundamento da mística consiste num instinto da alma que procura evadir-se para além da divisão íntima do ser para alcançar uma unidade. Este impulso natural, característica inerente a toda experiência mística, não é, porém, essencialmente religioso”, esclarece Dra. Celeste de Sousa.

 Mais sobre o evento

O objetivo do X Simpósio de Filosofia é compartilhar ideias e pesquisas sobre a temática da Mística no campo conceitual filosófico e teológico para estimular a comunidade acadêmico-filosófica à exegética sistemática de textos antigos e medievais tendo em vista uma produção acadêmica que estabeleça a vinculação entre a ontologia antigo-medieval e suas ressonâncias com a ontologia contemporânea.

Mais sobre a Católica de Fortaleza

A Faculdade Católica de Fortaleza é herdeira da formação intelectual do Seminário da Prainha, instituição que há 150 anos é responsável pela formação do clero e personalidades do Ceará. Da instituição já foram alunos figuras ilustres como Padre Cícero e Dom Helder Câmara.

Serviço

X Simpósio de Filosofia da Faculdade Católica de Fortaleza
Tema: Filosofia e Mística
Data: 20, 21 e 22 de maio de 2015
Local: Faculdade Católica de Fortaleza (Rua Tenente Benévolo, 201, Centro)

Investimento:
Alunos da FCF – R$ 10,00 (Dez Reais)
Alunos visitantes – R$ 20,00 (Vinte Reais)
Professores visitantes – R$ 50,00 (Cinquenta Reais) – Certificado incluso.

Mais informações: (85) 3453-2150 catolicafort@catolicadefortaleza.edu.br
CONFIRA A PROGRAMAÇÃO: http://migre.me/pUkpe

11001751_10205905040735139_8662720127701929772_nPor: Vanderlúcio Souza, Jornalista e Seminarista da Arquidiocese de Fortaleza